Soluções para Gestão de Risco Empresarial

A crescente dependência dos sistemas de informação (seja no modelo cloud, híbrido ou local) e o acesso à informação aumentou significativamente a vulnerabilidade de uma empresa a ameaças de cibersegurança.

Interrupções, erros ou ataques aos sistemas de informação podem resultar em custos diretos significativos que podem devastar os resultados financeiros de uma organização. Quando se trata da violação de dados ou da perda de privacidade, não é uma questão de saber se isso vai acontecer, mas quando acontecerá. Para uma empresa reagir de forma adequada, tornando a identificação, contenção e resposta mais eficiente, deve optar por uma proteção de cibersegurança abrangente, complementada por um ciberseguro, que terá um papel fundamental na gestão de risco.

Este conjunto de soluções integradas ajudam a minimizar lacunas nos programas de cibersegurança atuais e adaptam a cobertura de forma a dar uma resposta efetiva na rápida recuperação do negócio.

Transformação Digital e os Ciber-Riscos

A transformação digital permitiu às empresas reinventar métodos e processos de negócio. Um conjunto de oportunidades que trouxeram novos desafios, e também inevitavelmente novas ameaças. Essas novas ameaças deixam organizações de todos os tipos e dimensões expostas ao impacto de ciberataques, que podem ser tangíveis (por exemplo, propriedade) ou intangíveis (por exemplo, reputação).

"O cibercrime é o crime que mais rapidamente cresce a nível mundial e as PME estão na mira”

As empresas necessitam de soluções de segurança cada vez mais amplas, que previnam os incidentes e que ofereçam suporte durante e depois de uma crise. Os tipos de ciberataques estão em constante evolução, por isso uma avaliação de risco é um elemento-chave para dar início à prevenção. Os ciberseguros são especialmente importantes para empresas que querem prevenir e combater as ameaças, que literalmente podem paralisar os seus negócios.

Com a contratação de um ciberseguro consegue:

  • Cobrir regulamentações (RGPD e a Directiva NIS): mudanças regulatórias que causam grande impacto nas organizações;
  • Evitar prejuízos económicos: interrupção total ou parcial dos sistemas informáticos pode ter um impacto devastador no negócio;
  • Prevenir o “efeito dominó”: fugas e perdas de dados que podem conduzir a coimas e ataques que podem resultar na desativação dos serviços, na perda de confiança e de lucros;
  • Minimizar reclamações de terceiros: ligadas a problemas de serviço que podem significar custos elevados.

O ciberseguro, a avaliação de risco, a monitorização, a prevenção e resposta a incidentes são elementos essenciais nos programas de segurança e no contexto das melhores práticas de gestão de risco empresarial.

Luís Martins, Diretor de Cibersegurança na Multicert, e Paulo Cruz, Diretor de Marketing e Inovação Digital na Caravela Seguros, estarão disponíveis para debater a gestão de risco empresarial e apresentar soluções para prevenção de risco e resposta a incidentes, já na próxima quinta-feira, dia 19 pelas 10h.

Artigo partilhado no Eco.