A Transformação Digital e os Negócios à Distância

A sociedade está a convergir para uma abordagem “anything, anythime, anywhere”, o que condicionará cada vez mais o atendimento presencial e aumentará a criação de novas alternativas digitais aos negócios. Garantir a disponibilidade imediata e a modernidade dos serviços, evitando o constrangimento dos horários e das deslocações, é verdadeiramente conveniente para os utilizadores e, muito importante para o posicionamento das empresas no que diz respeito à transformação digital.

Por revelarem a dicotomia que prevalece quando se decide levar o negócio de uma empresa para o mundo digital, a Multicert convidou Fernando Vicente (Head of Innovation) e Salvador Palha (CCO) para falarem sobre a “Transformação Digital e os Negócios à Distância” no contexto atual. O tema não é novidade, mas não restam dúvidas de que a pandemia obrigou, até as empresas mais distantes desse passo, a repensar e a decidir sobre assunto.

Salvador recorda que “há 3 anos o driver da transformação digital era a geração de negócio, e que mais recentemente começou o interesse na desmaterialização de processos internos com o intuito, não só de reduzir de custos, como também de promover o posicionamento perante stakeholders”.

Fernando considera que as empresas desejam com a transformação digital alcançar maior eficiência operacional através da maior celeridade nos processos, capacidade para medir e ajustar aspetos do serviço, o aumento de receitas pela maior disponibilidade de serviço e novos canais de venda, e por fim facilidade em escalar a sua oferta para diversas geografias”.

Estamos a caminhar para uma democratização no acesso aos serviços. O mercado, em geral, está a tornar-se cada vez mais digital, quer seja por obrigação (como é o caso da fatura eletrónica), quer seja pela necessidade de proximidade com os clientes ou para redução de custos internos. Todas as razões são válidas e justificam investimento em transformação digital por parte de qualquer empresa. Para Salvador, “as empresas que não optarem por soluções digitais num curto/médio prazo podem estar ameaçadas. Poderão sentir perda de competitividade face aos seus concorrentes, quer em custo direto, quer em rapidez de resposta."

Na maioria dos casos, a transformação digital apresenta-se como um investimento benéfico para os negócios, tendo um impacto bastante positivo, tanto na gestão de clientes como na eficiência de processos internos. Nesse sentido as empresas que apostam nesta transformação ficam satisfeitas, e acrescenta “nenhuma empresa volta atrás nas suas decisões de desmaterialização, pelo contrário, a nossa experiência indica que muitas delas começam a tentar perceber o que mais conseguem melhorar através de processos digitais”. Assim, parece existir uma ligação entre desmaterialização de processos e aumento de eficiência operacional. No processo de transformação, as empresas querem garantir a maior segurança e a melhor experiência aos seus clientes. Para esse fim, apoiam-se em soluções, como a plataforma mTrust, que ao invés de vistas como produtos necessários, tornam-se serviços para a transformação digital, onde a oferta pode ser adaptável às necessidades de cada setor de negócio.

"É importante saber o nível de preparação da empresa para levar a cabo uma transformação, pois de certo que impactará transversalmente em toda a sua atividade.” Fernando Vicente, Head of Innovation Multicert

A abordagem de ser a própria empresa a fazer o desenvolvimento interno de uma solução também tende a desaparecer, bem como a necessidade de ter toda a solução in-house. As empresas dos mais variados setores, que são os nossos principais clientes, procuram uma resposta rápida às suas necessidades de desmaterialização e uma solução fácil de implementar. Na Multicert, com a plataforma mTrust, muitas encontraram a solução à medida, totalmente integrada que adaptou processos críticos de negócio e apoiou-as na resposta aos desafios atuais da sociedade digital.

Conheça alguns casos de sucesso.

setor Financeiro foi o pioneiro na desmaterialização, para os Bancos e Entidades de Crédito ao Consumo o driver foi a gestão e evolução do negócio para o mundo digital. Depois começaram a aparecer as empresas onde o principal desafio era gestão de backoffice, pois representava um elevado custo interno de processamento e muito tempo dedicado. Por exemplo, no setor do Retalho o foco foi a desmaterialização de contratos com clientes, fornecedores e gestão documental interna entre empresas. Mais recentemente, acreditamos que, também acelerado pelo fator pandemia, o setor dos Recursos Humanos, na assinatura remota de contratos, seguido dos Seguros, da Indústria, e da área da Saúde, todos tiveram de investir na desmaterialização para garantir os negócios mesmo à distância.

Atualmente, nenhum setor de negócio fica indiferente aos investimentos e evoluções do mundo digital, uma vez que são, cada vez mais, garantias de sustentabilidade no mercado. Digamos que, na transformação digital, o expectável é ter os processos desmaterializados e passíveis de serem remotos, e quando isso não acontece, é inevitável pensar se um determinado negócio está ou não adaptado às exigências sociais e económicas do contexto, e o que significará optar por canais alternativos ou tradicionais, como o presencial, em exclusivo. Através da análise mensal dos nossos atuais clientes, percebemos que as transações de utilização da plataforma mTrust aumentaram mais de 40% no último trimestre, comparativamente ao mesmo período do ano passado. Há cada vez mais clientes finais e/ou consumidores a usarem estas tecnologias e a aderirem a este tipo de soluções no seu dia-a-dia, o que dá confiança às empresas para apostarem na expansão da sua oferta de serviços pelos meios digitais.

Podemos acelerar o processo de transformação digital do seu negócio, contudo para avançar de forma fundamentada, Fernando enumera as perguntas-chave que deve responder:

  1. Qual a imagem que a empresa/organização pretende projetar para o mercado?
  2. Qual o nível de preparação para transformação digital do negócio?
  3. Quais são as principais barreiras internas e externas para a implementação dessa nova visão de negócio?

Fernando Vicente e Salvador Palha estarão disponíveis para debater estes, e outros, pontos relacionados com a Transformação Digital e os Negócios à Distância, no próximo dia 29 pelas 10h, num webinar organizado pela Multicert.

Aceda aqui à gravação do webinar.

Artigo partilhado no Eco.